Direcção Nacional

Almoço de Homenagem – Discurso do Cor CMD Raúl Folques e Cor CMD Pipa Amorim

ALMOÇO DE HOMENAGEM AO CORONEL CMD PAULO PIPA AMORIM

LISBOA, 8 DE SETEMBRO DE 2018                

                             

PALAVRAS DO CORONEL CMD RAÚL FOLQUES

MINHAS SENHORAS,  MEUS SENHORES,  CAMARADAS  E  AMIGOS,

COMO O COMANDO MAIS ANTIGO PRESENTE COUBE-ME SER O PORTA-VOZ DA NOSSA SOLIDARIEDADE PARA COM O CORONEL PAULO PIPA DE AMORIM.

ESTE ALMOÇO É UMA HOMENAGEM QUE CAMARADAS,  AMIGOS E ADMIRADORES  FAZEM AO HOMEM, AO COMANDO QUE EXEMPLARMENTE COMANDOU O NOSSO REGIMENTO, O REGIMENTO DE COMANDOS.

O OBJECTIVO NOBRE DESTE ALMOÇO É EXALTAR E HOMENAGEAR A NOBRE FUNÇÃO DE COMANDAR HOMENS, DEFENDENDO-OS COM A CORAGEM MORAL, FRONTALIDADE E HONESTIDADE QUE SE EXIGE A UM LÍDER.

NÃO SOMOS IMPELIDOS POR DESAGRAVO, NÃO TEMOS PRETENSÕES DE NATUREZA POLÍTICA, NEM TÃO POUCO COMETEREMOS O PECADO DE CLASSIFICARMOS DE FORMA MANIQUEÍSTA COMO CORAJOSOS E RESERVA MORAL OS QUE AQUI ESTÃO E DE TIMORATOS, MEDROSOS, COMODISTAS OU SUBSERVIENTES OS QUE CRITICARAM OU NÃO  QUISERAM, DEPOIS DE DEVIDAMENTE INFORMADOS, ADERIR A ESTA INICIATIVA.

AMAMOS O NOSSO PAÍS, SERVIMOS PORTUGAL E OS PORTUGUESES E EM TODAS AS CIRCUNSTÂNCIAS, AFIRMAMO-NOS COMO CIDADÃOS QUE ALMEJAMOS UMA PÁTRIA MAIS INCLUSIVA, ONDE PREVALEÇA O SENTIDO ÉTICO, A SOLIDARIEDADE ENTRE GERAÇÕES E O DIREITO À ESPERANÇA, ONDE NUNCA IMPERE O DESPOTISMO E A CORRUPÇÃO, COM FUTURO PARA AS NOVAS GERAÇÕES E A PROTEÇÃO DOS MAIS DESFAVORECIDOS PELA FORTUNA OU MÁ SORTE.

RESPEITAMOS, HONRAMOS E CONSIDERAMOS OS MELHORES DE NÓS, OS FORTES E ABNEGADOS, QUE LUTARAM E SE SACRIFICARAM POR VALORES QUE CIMENTAM A NOSSA LIBERDADE E O NOSSO MODO DE VIDA.

SOMOS PRESENTES NESTE ALMOÇO PORQUE CONSIDERAMOS SER DE LOUVAR A FORMIDÁVEL ATITUDE DE ESQUECER AS CONQUISTAS PESSOAIS, AS MORDOMIAS TERRENAS, O SILÊNCIO COMPLACENTE, O TEMOR REVERENCIAL, O VIL METAL E MANTER UM RUMO FIRME, SEM HESITAÇÕES NA DEFESA INTRANSIGENTE DOS SUBORDINADOS QUE COMO COMANDANTE TEMOS O PRIVILÉGIO DE COMANDAR.

ESTA É A MAIOR HONRA QUE PODE  SER DESTINADA A UM MILITAR E A MAIOR DISTINÇÃO É O SERMOS RECORDADOS PELO BEM FAZER, PELO EXEMPLO, PELA ATITUDE SENSATA E PONDERADA QUE MARCARÁ O SENTIMENTO DOS NOSSOS SUBORDINADOS.

O CORONEL PIPA DE AMORIM É UM LÍDIMO EXEMPLO DESTES VALORES QUE  ABRAÇAMOS E ONDE SE ESCORA A INSTITUIÇÃO MILITAR. É POR ELE E PELOS VALORES QUE PERFILHOU, SEMPRE, QUE AQUI ESTAMOS HOJE.

MEU CORONEL, CARO PIPA DE AMORIM,

QUANDO ASSUMISTE O COMANDO DO REGIMENTO DE COMANDOS COMPROMETESTE-TE NUM PACTO, PARA TI SAGRADO, DE BEM SERVIR. DE LEALDADE, SERIEDADE E VERDADE, CUMPRINDO OS PRINCÍPIOS BASILARES DO DEVER DE TUTELA, ASSENTE NOS DITAMES  DA VIRTUDE E DA HONRA TENDO COMO FARÓIS O CUMPRIMENTO INTEGRAL DA MISSÃO E O CUIDAR DESVELADO, ZELOSO DOS TEUS HOMENS.

SER COMANDANTE DUM REGIMENTO COMO O NOSSO, O MAIS CONDECORADO DAS FORÇAS ARMADAS, COM UM PATRIMÓNIO INVEJÁVEL DE CORAGEM, SACRIFÍCIO E AMOR À PÁTRIA EXIGE COMO EXCEPCIONAL HONRA E EXTRAORDINÁRIO PRIVILÉGIO QUE É, UM COMPORTAMENTO ÉTICO E UMA LIDERANÇA EMPENHADA PELO EXEMPLO QUE ARRASTE, EMPOLGE, MOTIVE E CRIE NOS SUBORDINADOS O ESPÍRITO QUE PERMITE O CUMPRIMENTO DAS MAIS DIFICEIS MISSÕES.

COMANDAR NUNCA PODE SER ENTENDIDO COMO A ARTE DO COMPROMISSO, QUANDO ESTÃO EM CAUSA, VALORES E PRINCÍPIOS QUE CIMENTAM A CONDIÇÃO MILITAR, ASSIMILADOS NO RIGOR E ESTOICIDADE DA INSTRUÇÃO, NO TREINO OPERACIONAL ORIENTADO, PERMANENTEMENTE, PARA O RISCO, NA VIVÊNCIA DIÁRIA REGIDA PELO NOSSO CÓDIGO EXIGENTE NA ÉTICA E NA MORAL, NO DEVER E NA HONRA, NA CAMARADAGEM E NA SOLIDARIEDADE E QUE ENCONTRA A SUA JUSTIFICAÇÃO EM SITUAÇÕES DE COMBATE OU DE EXTREMO SACRIFÍCIO.

COMPROMETER OU MENORIZAR A DEFESA DESSES VALORES É À LUZ DOS  PRINCÍPIOS QUE NOS REGEM DEGRADAÇÃO E VERGONHA POIS É VERDADE INSOFISMÁVEL DA LIDERANÇA MILITAR QUE QUANDO SUBORDINADOS NOSSOS ESTÃO DEBAIXO DO FOGO DA INJUSTIÇA, DA CALÚNIA, DA DIFAMAÇÃO E EM PERIGO É NO SEU COMANDANTE QUE TÊM AMPARO, REFÚGIO E GUARDA POIS SÓ ASSIM A INSTITUIÇÃO MILITAR SE IMPÕE COMO FAROL E ANCORA.

O LÍDIMO COMANDANTE É EXEMPLO E GARANTIA E SE NECESSÁRIO FÔR MORRE  PELOS SEUS HOMENS.

CONSIDERO QUE O COMANDAR O NOSSO REGIMENTO, APESAR DO DESAFIO EXIGENTE QUE ERA FACE ÀS CIRCUNSTÂNCIAS ADVERSAS, EXTERNAS E INTERNAS, PARA TI FOI TAREFA SEM DIFICULDADE, POIS ESTAVAS EM CASA QUE CONHECIAS DESDE  MUITO NOVO, (conheci-te eras 1º Cabo, eu 2ºCmdt. do RCmds no comando do saudoso e querido Cor. Pinho Bandeira, nos idos de 1983/84), DEPOIS DE TERES PERCORRIDO UMA CARREIRA DISTINTA EM TODOS OS POSTOS E FUNÇÕES, NOS COMANDOS E NOS PARAQUEDISTAS, UM EXEMPLO E O RECONHECIMENTO DUM PERCURSO EXCEPCIONAL ONDE SE DESTACAVA O COMANDO DE UNIDADES E DE FORÇAS EM CAMPANHA, EM SITUAÇÕES DE COMBATE EMINENTE QUE CULMINARAM COM A PROMOÇÃO POR MÉRITO A CORONEL E MERECERAM A CONFIANÇA DO COMANDO DO EXÉRCITO PARA A NOMEAÇÃO POR ESCOLHA PARA O CARGO.

DURANTE O TEU COMANDO O REGIMENTO PROCEDEU À RETRAÇÃO DA PRIMEIRA FORÇA NACIONAL DESTACADA NA REPÚBLICA CENTRO AFRICANA, AO APRONTAMENTO, SUSTENTAÇÃO E RETRAÇÃO DA SEGUNDA FORÇA NACIONAL DESTACADA, MINISTROU DOIS CURSOS DE COMANDOS, SENDO PATENTE A CONDUTA BRILHANTE E DISTINTA DOS TEUS HOMENS QUE FIÉIS AO CÓDIGO COMANDO SERVIRAM PORTUGAL E OS PORTUGUESES, SEM TEMER OS RISCOS IMPREVISÍVEIS DUMA INSTRUÇÃO REALISTA E ORIENTADA PARA A SOBREVIVÊNCIA EM SITUAÇÃO DE COMBATE QUE GARANTE O CUMPRIMENTO DA MAIS EXIGENTE MISSÃO, COMO BEM DEMONSTRARAM E COMPROVARAM NUM TEATRO DE OPERAÇÕES ONDE IMPERA O CAOS E A BARBÁRIE, TENDO MERECIDO ELEVADOS ELOGIOS DE TODAS AS ALTAS ENTIDADES DO PÁIS E DOS COMANDANTES ESTRANGEIROS QUE TIVERAM A HONRA DE OS COMANDAR.

MAS ESTES RETUMBANTES MOMENTOS DE ORGULHO NÃO FAZEM ESQUECER OS CONSTRANGIMENTOS À TUA ACÇÃO DE COMANDO, COMO A RECORRENTE PERDA DE EFECTIVOS EM SOLDADOS COMANDO DE ENORME EXPERIÊNCIA E COMPETÊNCIA, EM QUEM O EXÉRCITO MUITO INVESTIU E QUE POR VARIADAS RAZÕES ABANDONAM SEM OPÇÃO AS FILEIRAS, O QUE CONSTITUI, CASO NÃO HAJA UMA RÁPIDA IMPLEMENTAÇÃO DE MEDIDAS PROPOSTAS, A MAIOR AMEAÇA À OPERACIONALIDADE DO REGIMENTO.

E RECUSANDO O SILÊNCIO DOS RESIGNADOS, É DE REFERIR OS SUCESSIVOS E PREMEDITADOS CONSTRANGIMENTOS SOBRE OS INSTRUTORES E SEUS FAMILIARES, ENVOLVIDOS NOS PROCESSOS DE JUSTIÇA, ACUSADOS COM MEDIATISMO E ROTULADOS DE FORMA INFAME, SEM CULPA FORMADA, OSTRACIZADOS E NUNCA CONVENIENTE E FORMALMENTE DEFENDIDOS PELA INSTITUIÇÃO QUE SERVEM DENODADAMENTE E QUE MESMO SENDO AFASTADOS DE MISSÕES INTERNACIONAIS E DA SUA FUNÇÃO NA UNIDADE POR INTERPRETAÇÕES ESTRANHAS À NATUREZA MILITAR, PERMANECEM FORTES REUNIDOS NA SOLIDARIEDADE, CAMARADAGEM, RESPEITO E VOZ DOS SEUS CAMARADAS E  SOBRETUDO DO SEU COMANDANTE.

PAULO PIPA DE AMORIM,

ESCOLHESTE COMANDAR COM CORAGEM E ABNEGAÇÃO, ELEGENDO O CAMINHO NOBRE DO MILITAR E DO COMANDO, NA DEFESA INTRANSIGENTE DA JUSTIÇA, DANDO VOZ ÀS ANGÚSTIAS NUNCA ATENDIDAS DE MILITARES TEUS SUBORDINADOS, SEMPRE COM FRONTALIDADE E LEALDADE, NUNCA POR OBSTINAÇÃO OU POR PROTAGONISMO CONFORME O HOMEM QUE ÉS, EXEMPLO DUM CARACTER  FIRME, BEM FORMADO E ENÉRGICO.

COMO MILITAR OSTENTAS UMA CARREIRA COMPETENTE, DIVERSIFICADA E MUITO DISTINTA QUE TE HONRA E COLOCA NA GALERIA DOS QUE SÃO EXEMPLO E FAZEM HISTÓRIA E QUE NOS TRAZ AQUI, A ESTA SALA, CHEIOS DE ORGULHO PELO QUE DESTE DE TOTAL ENTREGA AOS PRINCÍPIOS E VALORES QUE INFORMAM O «ETHOS» CASTRENSE.

SOFRESTE PELA TUA INDIFERENÇA A AGENDAS MEDIÁTICAS CIRCUNSTANCIAIS OU A LEITURAS POLÍTICAS ENVIESADAS, FACE À LEGETIMIDADE, NUNCA QUESTIONADA, DUMA DECISÃO SUPERIOR QUE IMPORTARIA, A BEM DO DECORO, SER ASSUMIDA COM FRONTALIDADE, E AÍ SIM E MAIS UMA VEZ, NEGANDO A IMORALIDADE E A HUMILHAÇÃO E IGNORANDO A AFRONTA, DECIDISTE PASSAR À SITUAÇÃO DE RESERVA. DECISÃO PENOSA PARA QUEM ENVERGA O UNIFORME COMO UMA SEGUNDA PELE, NO ENTANTO IMPERATIVA E NECESSÁRIA, ESCOLHIDA COM HONRA E DIGNIDADE QUANDO COROLÁRIO DA MEMÓRIA DUM LEGADO QUE CONSUBSTANCIA A NOBREZA DE CARACTER, A CORAGEM, O ESPÍRITO DE SACRIFÍCIO, A VONTADE INQUEBRANTAVEL DE BEM SERVIR.

AQUI REUNIDOS, QUEREMOS QUE ACEITES ESTE ABRAÇO DOS CAMARADAS E AMIGOS  PRESENTES E DOS QUE SE ORGULHAM EM SER MILITARES E EM TI SE REVÊM, COMO UM PRECIOSO ALENTO E O RESPEITO, A CONSIDERAÇÃO E A GRATIDÃO POR UM MILITAR, HOMEM DE CARACTER QUE PELA SUA INCAPACIDADEDE DE SE VERGAR A INTERESSES OU AGENDAS FEZ JUS A SER RECORDADO COMO UM COMANDANTE,

PARA TERMINAR, LEVANTO  DOIS PONTOS PARA ANALISE E REFLEXÃO,

(1) SEI QUE UM NÚMERO NÃO DISPICIENDO DE CAMARADAS NOSSOS CONFRONTADOS COM SITUAÇÕES SEMELHANTES DE PREPOTÊNCIA E INJUSTIÇA TÊM TOMADO A MESMA DECISÃO, A PASSAGEM À RESERVA, SENDO CERTO QUE OS MELHORES DE NÓS SAIEM DAS FILEIRAS FICANDO SEMPRE O CAUSADOR, QUER DIZER SAI O TRIGO FICA O JOIO.

(2) VERIFICA-SE AINDA QUE RESPONSÁVEIS HÁ QUE MOVIDOS POR INTERESSES DE OCASIÃO OU POR VANTAGENS DE CLASSE POR  OMISSÕES OU ACTOS PODEM CAUSAR GRAVE DANO NA NOSSA INSTITUIÇÃO E ATÉ NA NOSSA CAPACIDADE DE DEFESA DE REPARAÇÃO LENTA E DIFÍCIL, PROVOCANDO ESTRAGOS CONSIDERÁVEIS ALGUNS AINDA EXISTENTES.

QUERO, AINDA, PROCEDER A UM AGRADECIMENTO:  AO PEDRO TINOCO DE FARIA, INCANSÁVEL PROMOTOR DESTE ALMOÇO QUE QUIS E CONSEGUIU COMO UM ENORME ABRAÇO DE SOLIDARIEDADE, CAMARADAGEM E AMIZADE AO CORONEL COMANDO PAULO PIPA DE AMORIM.

BEM-HAJAM

MAMA SUMAE


PALAVRAS DO CORONEL CMD PAULO PIPA AMORIM

Digníssimas Entidades da Comissão de Honra, permitam-me que, de uma forma simbólica destaque, em representação de todos os Militares presentes, o Excelentíssimo Senhor General Carlos Corbal Hernandez Jerónimo, e em representação de toda a Sociedade Civil presente, o Excelentíssimo Senhor Embaixador António Manuel Tânger Correia, 

Minhas Senhoras e Meus Senhores,
Caros Camaradas,
Meus Caros Amigos,

Gostaria de, ao usar da palavra, ser capaz de proferir um discurso que somente cumprisse o protocolo e conseguir dizer-vos apenas algo prosaico e formal. Mas, se assim o fizesse, estaria seguramente a trair os meus sentimentos e, com toda a certeza, a desvirtuar a razão da vossa presença, a qual não se deve à qualidade do excelente repasto, mas sim aos valores supremos da lealdade, da solidariedade e da amizade, que todos vós tendes bem alicerçados. 

Assim, face às peculiares circunstâncias em que a vida me separou prematuramente dos meus Homens e à inerente vivência de um “luto” que, tenho por certo, me será longo e penoso, permitam-me nesta minha breve intervenção, adicionalmente a manifestar-vos o meu mais profundo reconhecimento e respeito pela vossa presença, partilhar convosco algumas reflexões, inerentes ao contexto global dos factos, que nos levaram a estar hoje aqui reunidos. 

Tal como muitos dos presentes sempre me ensinaram e incutiram, ao longo do meu percurso formativo, como homem e como militar, e não posso deixar de referir que, nesta mesa, tenho o excelso privilégio de privar com quem me viu nascer como Oficial (o Excelentíssimo Senhor Tenente General Faria Menezes) e com quem me formou como “Comando” (o Excelentíssimo Senhor Tenente Coronel Isaías Pires), entendo o comando de tropas como um compromisso de honra, que sendo alicerçado na lealdade, na confiança mútua, na integridade de carácter e na clareza de procedimentos e atitudes, tem por princípio basilar o inquestionável dever de tutela, o qual vincula, para o resto da vida, um Comandante aos homens e mulheres que consigo servem. 

Assim, convicto que, pela Missão e pelos Homens que comandamos se for preciso morremos, terminei o meu comando após muito pugnar por aquilo em que acredito, ciente que o caminho que sempre segui, depois de, com toda a lealdade, nunca me ter resignado nem nunca me ter vergado, é o único que me faz estar bem com a minha consciência, não aceitando pactuar com orientações atentatórias dos ditames da virtude e da honra, suscetíveis de contaminarem o pacto sagrado, celebrado com os Meus Homens no dia da minha tomada de posse. 

Lamentavelmente, desde esse primeiro dia, confrontei-me com imorais ações persecutórias e com o alheamento e indiferença a que foram votados dezanove dos melhores militares da Unidade, num total desinteresse pelos seus legítimos direitos, aspirações e expetativas, abandonados à sua sorte, sem que nunca lhes tenha sido manifestada qualquer solidariedade institucional, nem preocupação pelos constantes atentados à sua dignidade, idoneidade e bom nome, perpetrados através de fantasiosas verdades fabricadas pela repetição da mentira, num verdadeiro julgamento em “Praça Pública” e em total desrespeito pela presunção de inocência, contrariando os valores e os princípios éticos do Estado de Direito que nos orgulhamos de ser. 

Sendo a última reserva da soberania e pilar estruturante da afirmação da identidade nacional, as Forças Armadas devem ser objeto de uma cultura de compromisso e consenso institucional, entre as várias forças políticas e os diferentes órgãos do Estado, pelo que não são concebíveis as constantes e soezes intoxicações mediáticas e cabalas contra estes Militares, orquestradas por setores residuais da nossa sociedade, que fazem ciclicamente dos “Comandos” o alvo dos seus temores e das suas iras adormecidas, as quais, inexplicavelmente, contrariando o obrigatório dever de tutela e a expectável ação de comando, são contemporizadas pelo Comando do Exército, numa postura consentida ou assumida, que se insere em contextos que nada têm a ver com o bem da Instituição e daqueles que a servem. 

E chegados a este ponto, é lícito que se pergunte quem corporiza estes sectores obscuros e qual a extensão das suas metástases no nosso tecido social? Direi que, embora sendo residuais e difusos, a sua implantação é transversal, inclusive em Instituições do Estado, inclusive no seio das nossas Forças Armadas, mormente entre aqueles que, deslumbrados com o poder ou com a sua proximidade, perderam a alma ou se calhar nunca a tiveram. 

Curiosa, é a genética similitude da sua retórica, quando explicitamente referem “acabe-se já com os Comandos”, quando pretendem conotar os elementos que constituem essa Unidade com uma associação criminosa ou uma organização terrorista, sendo estes militares possuidores de, cito “um padrão comportamental desviante, movidos por ódios patológicos irracionais contra aqueles que não são Comandos”, ou, quando aproveitando as “boleias” e as ironias dos ciclos políticos tentam apagar a história, ao reabilitar e até mesmo enaltecer todos os que, numa das datas mais importantes do século XX português, estiveram do lado errado da barricada ao serviço de interesses obscuros, e se desdenhem os que, imbuídos do mais supremo ideal, verteram o seu generoso sangue, na defesa deste chão sagrado onde nasceram. 

São os mesmos sectores que, a propósito do evento em que nos encontramos, o qual integra personalidades impolutas, de craveira impar na Sociedade Portuguesa, criaram perceções construídas na instrumentalização e na teoria da conspiração, utilizando as Redes Sociais e a Comunicação Social para, de forma capciosa e soez, classificarem este almoço como, cito “uma manifestação anti-democrática” imprópria de uma “Democracia Liberal”, e um perigoso ato contra revolucionário, protagonizado por elementos conspiratórios, populistas e nacionalistas. Brilhante! 

Enfim, perigosas almas menores, com o objetivo bem definido de adulterar, menosprezar ou destruir, as quais, por mais que tentem pôr-se em “bicos de pés”, permanecerão sempre rasteiras e nunca farão parte do Campo da Honra da nossa Memória Coletiva. 

Digníssimas Entidades da Comissão de Honra,
Minhas Senhoras e Meus Senhores, Caros Camaradas, Meus Caros Amigos,

Permitam-me agora, numa expressão da mais inteira justiça, manifestar aquele que, segundo o filósofo romano Marco Túlio Cícero, é o dever mais importante – a gratidão. 

E aqui cumpre um enorme agradecimento, às pessoas que tornaram possível a concretização deste almoço, pleno de simbolismo e significado e às muitas que, de forma solidária e amiga, fazem questão de estar hoje aqui presentes. São inúmeras, de todos os quadrantes, de todas as regiões, algumas vindas propositadamente do estrangeiro, e por isso, para não ser fastidioso e não correr o risco de injustamente me esquecer de algum de vós, permitam-me, todos os outros, que, excecionalmente, efetue algumas referências, num testemunho da gratidão e da homenagem que lhes é devida. 

Ao Excelentíssimo Senhor Coronel Raúl Socorro Folques, pelas sentidas e amigas palavras que à pouco me dirigiu e por todos os estímulos, sugestões e conselhos que, de forma permanente e avisada, me tem dirigido ao longo dos últimos 35 anos. 

Meu Comandante, 

Foi um raro privilégio a oportunidade de, ao longo da minha carreira, privar e aprender com uma verdadeira lenda viva da nossa história militar contemporânea, um dos últimos guerreiros do Império Português, que pela forma como combateu nas matas e chanas de Angola e nas bolanhas e no tarrafo da Guiné, foi agraciado com as mais elevadas condecorações consagradas pela nossa Pátria, tendo-se tornado modelo e fonte de inspiração. 

O meu mais profundo reconhecimento e respeito, e o desejo que o seu exemplo se fortaleça e perpetue nas atuais gerações. 

Ao Excelentíssimo Senhor Tenente Coronel Pedro Tinoco Faria, camarada e amigo de longa data, o meu reconhecimento pelo seu incansável empenhamento na conceptualização, divulgação e concretização deste almoço, assim como pela sua postura de verdadeiro “braço armado”, em solidariedade com a minha pessoa. O seu trabalho foi muito para além do que seria imaginável e deu mostras de uma perseverança, camaradagem e amizade inestimáveis. 

Caro Pedro, 

Tu, que optas por fazer da vida uma aventura ousada, e que não abdicas da tua existência de homem livre e, por isso, assumidamente interventivo, estás em permanente confronto com os doceis e os instrumentalizados que, cada vez mais, pululam nas nossas Forças Armadas e na nossa Sociedade, formatadas para serem medrosas e submissas. Consequentemente, com o teu espírito irrequieto e a alma cheia de valores, vês-te múltiplas vezes empenhado em cruzadas virtuosas, de honra e solidariedade, muitas em situações extremas, onde, com o “grito de revolta”, te tens batido de forma estoica – Esta foi mais uma. 

Estou-te profundamente grato. Sem ti, o estarmos hoje todos aqui não teria sido possível. 

Aos Militares do Regimento de Comandos, 

Para todos vós, que em tempos tão conturbados, comigo lutaram ombro a ombro, a minha grande saudação e o meu profundo agradecimento pela forma leal, voluntariosa, entusiástica e dedicada como sempre me apoiaram e pelos momentos inesquecíveis que me proporcionaram. 

O facto de estarem hoje aqui, junto ao vosso Comandante, é uma missão de risco, pois infelizmente será considerada uma ação conspiratória, e passarão a ser persona não grata de quem não comunga dos nossos valores, ideais e princípios éticos. O meu reconhecimento pelo vosso desassombro e pela vossa coragem; mostrais pertencer à casta dos guerreiros temidos e admirados, que procuram a vitória em missões quase impossíveis, pelo desafio de estarem presentes, em cada momento de perigo. É com homens da vossa têmpera, que nunca cedem à cultura do medo, que o Regimento de Comandos continuará a ser a Unidade mais lendária e condecorada das nossas Forças Armadas.

Meu Caro 2º Comandante, Caros Camaradas, 

Como já vos referi, a honra de ter sido o vosso Comandante, asseguro-vos que é um privilégio de muito poucos e acreditem que, para mim, o respeito, a entrega e a lealdade daqueles que comandei é a maior condecoração que se pode ostentar no peito. 

Por último, um agradecimento à equipa de “profissionais” que, gratuitamente, tratou da minha vida pessoal enquanto eu me dediquei à minha carreira e me têm dado todo o apoio nesta difícil fase de transição, designadamente o meu consultor, o meu contabilista, o meu mordomo, o meu procurador, o meu secretário e o meu psicólogo. Tive a sorte de poder reunir esta vasta equipa numa só pessoa: na mulher que decidiu um dia unir o seu futuro ao meu, para compartilhar alegrias e tristezas. Para ti Paula, o meu público obrigado. 

Não só aos citados, mas a todos quantos se dignaram estar presentes neste almoço, e foram tantos, o meu reconhecimento e gratidão e acreditem que, para além de um privilégio, a vossa postura e desvelo para com a minha pessoa será para mim uma grata e indelével recordação, assim como uma referência que a memória não apagará. 

Parafraseando Ernest Hemingway, mais importante que a própria guerra, “são aqueles que estão ao nosso lado na trincheira”. E todos vós, sois daqueles que estiveram sempre ao meu lado. 

Por isso, nada mais vos posso dizer, a não ser que contem sempre comigo, quando quiserem, onde quiserem e para o que quiserem. 

Digníssimas Entidades da Comissão de Honra,
Minhas Senhoras e Meus Senhores, Caros Camaradas, Meus Caros Amigos,

Neste, que é o tempo que não escolhemos, mas nos escolheu a nós para o vivermos, não podemos fazer de conta que não é grave aquilo que é realmente grave. E, infelizmente, vivemos tempos em que comandar se confunde com despotismo, justiça com populismo, integridade com oportunismo, frontalidade com bajulação, lealdade com traição e Pátria com interesses pessoais ou corporativos, enfim tempos em que as memórias são efémeras e os valores são distorcidos. 

Por isso, é importante que todos nós, que ainda temos alma, e que ainda somos milhões, imbuídos de solidariedade, de consciência social e, sobretudo, de destemor perante o culto do medo e das retaliações, não nos deixemos intimidar e não caíamos na inação, esquecendo os que estão ao nosso lado e os que dependem de nós, descurando a necessidade de proteção permanente dos valores e princípios com que nos identificamos, os quais, face à existência de quem os repudia e não possui, nunca os podemos dar por garantidos, nesta sociedade cada vez mais amorfa e doutrinada. 

Permitam-me que, a este propósito, termine, citando uma frase hindu de que gosto particularmente: “A vida é-nos dada e nós merecemo-la dando-a”. 

Um forte abraço a todos, agradecendo, uma vez mais, a vossa presença, o vosso apoio, a vossa solidariedade e a vossa amizade. Foi uma grande honra estar hoje aqui convosco. 

Até sempre e que a sorte vos proteja. 

 

Lisboa, 08 de Setembro de 2018
Paulo Júlio Lopes Pipa de Amorim
Coronel