G-FTX4J4FL2P
Categorias
Direcção Nacional Legislação Notícias Vida Associativa

Associação de Comandos – Instituição de Utilidade Pública

Categorias
Direcção Nacional Legislação Notícias Vida Associativa

Associação de Comandos – Membro Honorário da Ordem do Infante D. Henrique

Categorias
Legislação Notícias

Precedência das Insígnias

REGULAMENTO DA MEDALHA MILITAR E DAS MEDALHAS COMEMORATIVAS DAS FORÇAS ARMADAS

(Diário da República n.º 299/2002, Série I-A de 2002-12-27)

Artigo 65º

Precedência das insígnias

 1ª  Ordem Militar da Torre e Espada, do Valor, Lealdade e Mérito;

 2ª  Medalha de valor militar;

 3ª  Medalha da cruz de guerra;

 4ª  Ordem Militar de Cristo;

 5ª  Ordem Militar de Avis;

 6ª  Medalha de serviços distintos;

 7ª  Medalha de mérito militar;

 8ª  Ordem Militar de Sant’Iago da Espada;

 9ª  Ordem do Infante D. Henrique;

10ª  Ordem da Liberdade;

11ª  As medalhas privativas, pela seguinte ordem:
- medalha da Defesa Nacional;
- medalha da cruz de São Jorge;
- medalha da cruz naval;
- medalha de D. Afonso Henriques — Patrono do Exército
- medalha de mérito aeronáutico.

12ª  Medalha de comportamento exemplar;

13ª  Medalha dos promovidos por feitos distintos em campanha;

14ª  Medalha dos feridos em campanha;

15ª  Medalha de reconhecimento;

16ª  Medalha comemorativa das campanhas;

17ª  Medalha comemorativa de comissões de serviço especiais;

18ª  Outras condecorações nacionais, sendo a respectiva precedência determinada pela ordem cronológica da sua instituição;

19ª  Condecorações estrangeiras, sendo a respectiva precedência determinada pela ordem alfabética dos nomes das respectivas nações ou organizações em língua portuguesa.

Categorias
Legislação Notícias

Guião de Mérito do Batalhão de Comandos da Guiné

Nos termos do artigo 34º da Portaria nº 24 107, de 3 de Junho de 1969, e no uso da competência que lhe é atribuída pelo artigo 21º da Lei nº 3/74, de 14 de Maio, manda o Chefe do Estado-Maior do Exército aprovar o modelo do Guião de Mérito do Batalhão de Comandos da Guiné, com a descrição heráldica seguinte:

Guião – de vermelho, leão rampante de oiro, segurando na garra dianteira dextra uma espada antiga (com Lâmina de prata, guarnecida, empunhada e maçanetada de oiro); em chefe, numa só linha, a designação da Unidade agraciada – BATALHÃO DE COMANDOS DA GUINÉ; em contra-chefe, numa linha superior, a designação do local onde foram praticados os feitos de armas de mérito excepcional – GUINÉ – e numa linha inferior, a designação dos anos em que os feitos foram praticados – 1970 – 1973 – estas designações em letras de estilo elvezir, maiúsculas, de oiro, e algarismos árabes, igualmente de oiro: bordadura de oiro, com uma coroa de louros, quadrada, frutada, tudo de verde.

Cordão – de vermelho e oiro.
Haste e lança – de metal leve e fosco, em tom cinzento-escuro.
O leão segurando a espada antiga simboliza o Exército Português.
A coroa de louros simboliza a glória.
O oiro significa fé e nobreza.
A prata significa riqueza e eloquência.
O vermelho significa ardor bélico e força.

(Ordem do Exército, nº7 1ª Série de 1982)

Categorias
Legislação Notícias

Guião de Mérito da 3ª Companhia de Comandos da Guiné

Nos termos do artigo 34º da Portaria nº 24 107, de 3 de Junho de 1969, manda o Conselho da Revolução, pelo Chefe do Estado-Maior do Exército aprovar o modelo do Guião de Mérito da 3ª Companhia de Comandos, com a descrição heráldica seguinte:

Guião – de vermelho, leão rampante de oiro, segurando na garra dianteira dextra uma espada antiga (com Lâmina de prata, guarnecida, empunhada e maçanetada de oiro); em chefe, numa só linha, a designação da Unidade agraciada – 3ª Companhia de Comandos; em contra-chefe, numa linha superior, a designação do local onde foram praticados os feitos de armas de mérito excepcional – GUINÉ – e numa linha inferior, a designação do mês e do ano em que o feito foi praticado – JUNHO 1968 – estas designações em letras de estilo elvezir, maiúsculas, de oiro, e algarismos árabes, igualmente de oiro.

Bordadura de oiro, com uma coroa de louros, quadrada, frutada, tudo de verde.
Haste e lança – de metal leve e fosco, em tom cinzento-escuro.
Lança – em folha de loureiro, com nervura boleada.

O guião de mérito enfia na haste por meio de uma bainha com três dentículos de oiro e na vareta horizontal por meio de uma bainha contínua, também de oiro, que o mantém desfraldado. O topo distral da vareta horizontal por meio de um cordão de oiro e de vermelho.

O leão rampante segurando a espada antiga simboliza o Exército Português, que a 3ª Companhia de Comandos honrou e prestigiou de forma relevante e excepcional.

A coroa de louros simboliza as vitórias gloriosamente alcançadas pela mesma Companhia.
Os esmaltes significam:
O oiro a nobreza e constância.
A prata a riqueza e eloquência.
O vermelho o ardor bélico e força.

(Ordem do Exército, nº7 1ª Série de 1982)

Categorias
Legislação Notícias

Condecoração do Centro de Instrução de Comandos da Região Militar de Angola

Considerando o louvor conferido pelo General Chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas ao Centro de Instrução de Comandos, da Região Militar de Angola, pela sua actuação naquela ex-colónia a partir do ano de 1969;

Considerando que se tratou de uma unidade de “élite”, cujos feitos, praticados em combate, demonstrativos de grande valor e raro exemplo de abnegação, heroísmo e coragem, muito prestigiaram o Exército e a Nação;

Considerando o que dispõem os artigos 6º, 11º e 68º do Regulamento da Medalha Militar e das Medalhas Comemorativas das Forças Armadas, aprovado pelo Decreto nº 566/71, de 20 de Dezembro;

O Presidente da República decreta, nos termos do artigo 137º, nº 1, alínea b) da Constituição, o seguinte:

Artigo único – É condecorado o Centro de Instrução de Comandos da Região Militar de Angola, com a Medalha de Ouro de Valor Militar, com Palma.

Assinado em 19 de Fevereiro de 1979.

Publique-se.

O Presidente da República. – António Ramalho Eanes, general.

(Ordem do Exército, nº 8 – 2ª Série, de 15 de Abril de 1979)

Categorias
Legislação Notícias

Louvor do Centro de Instrução de Comandos da Região Militar de Angola

Manda o Chefe de Estado-Maior-General das Forças Armadas, com base em proposta do Comandante-Chefe das Forças Armadas de Angola, louvar o Centro de Instrução de Comandos, da Região Militar de Angola, pela sua actuação em inúmeras acções da maior importância, no Leste daquela ex-colónia a partir do ano de 1969.

Actuando as suas Companhias isoladamente ou em Agrupamentos de Comando próprio, deram estas forças provas de inquebrantável determinação, invulgar espírito de missão, destemor e indomável agressividade, traduzidas nos excelentes resultados obtidos,quer na desarticulação das Unidades adversas, quer em grande quantidade de material capturado e largamente evidenciados pela magnitude dos feitos heróicos praticados pelos seus elementos já recompensados com promoções por distinção, agraciamento com a Ordem da Torre e Espada, condecorações com a medalha de Valor Militar, várias medalhas de Serviços Distintos e mais de uma centena de Cruzez de Guerra.

Os “Comandos” deram sempre constantes provas de bravura, coragem, abnegação e valentia, norteados pelos ditames da honra e do dever.

O Centro de Instrução de Comandos, da Região Militar de Angola, pela perfeita consciência da missão e indefectível espírito do seu cumprimento, apoiado na constância da acção do comando e no valor dos seus quadros e tropas, desenvolveu intensa e fecunda actividade operacional e prestou serviço de excepcional valor militar e acrisolado heroísmo e coragem, cobrindo de lustre e glória as Forças Armadas Portuguesas e honrando a Pátria que serviu com orgulho e galhardia.

Estado-Maior-General das Forças Armadas, 19 de Fevereiro de 1979.